Compartilhe

RENASCIMENTO DE GALLIANO NA MARGIELA!

A volta de John Galliano na Maison Martin Margiela criou uma frisson quase incontrolável no mundo fashion. Com razão! “He’s back!” – Ele voltou! – foi o consenso de um grupo seleto de personagens da moda que presenciaram o evento.

John Galliano é um gênio. Sua coleção de formatura na prestigiosíssima Central Saint Martins, foi, imediatamente e inteiramente, comprada pela über multi-marca londrina Browns e exposta nas suas vitrines nada menos que 24 horas após ser apresentada.

Sua imaginação e habilidade no desconstruir e reconstruir peças em grande suntuosidade sempre foi sedutora.

No final de cada desfile, as luzes abaixavam, a música aumentava e John saía na passarela em grande estilo, acompanhado por seguranças e no tema do desfile. Foi o auge das personalidades de moda e seu ego estourava de felicidade!

Mas a sua personalidade, ao invés, lhe deu dificuldades… Talvez por vir de uma infância onde sofreu a gozação de outros meninos (sua mãe, uma professora de flamenco, o vestia todo, mesmo para ir comprar o pão), talvez por sua sensibilidade (característica de gênios), talvez pelo sucesso relâmpago, Galliano exagerou com drogas e álcool.

No início de sua carreira, faliu várias vezes até finalmente ser contratado pela LVMH para desenhar a Givenchy e depois a Dior. Encontrou seu grande amigo e sócio de negócios, Steven Robinson, que o ajudou colocando-o nos trilhos e servindo de apoio moral. Ele também organizava a sua vida e negócios. Mas após a morte repentina de Robinson por overdose em 2007, Galliano se perdeu na bebida e anti-depressivos que cita como causa de seu horrível e imperdoável discurso anti-semita em um bar de Paris, causa da demissão imediata da Dior e de seu desaparecimento em 2011.

Ele foi a um rehab e após um estágio na Oscar de la Renta ano passado, foi contratado pelo genial Renzo Rosso dono da Diesel e da holding de moda mais alternativa no mercado, OTB, como diretor criativo da Maison Martin Margiela.

Ao ouvir isto, fiquei muito feliz! Não por Galliano, pois para mim é muito difícil perdoar o que ele fez, mas pela moda. A Margiela sempre representou uma moda intelectual e inesperada com desconstruções e ironia. Galliano é perfeito para este conceito, e ontem ele provou isto com a sua primeira coleção de alta costura para a marca, a linha Artisanal.

Em uma pequena coleção, apresentada a apenas 100 pessoas na semana de moda masculina de Londres, ele desfilou 24 peças geniais onde pode colocar tudo que sabe fazer de melhor: romantismo, rua, grotesco, desconstrução, alfaiataria e beleza!

Achei perfeito o que Tim Blanks escreveu na Style.com disse: “Esta, uma das mais misteriosas casas de moda, necessitava um alquimista, tanto quanto um designer, e com Galliano, é exatamente o que tem.”

Comercialmente também, trazer John Galliano à Maison Martin Margiela é fantástico. Só a publicidade já chamou atenção a uma marca pouco conhecida fora do métier. Mas além disto, as peças são maravilhosas! Esta é a coleção de alta costura, mas ainda vamos ver em Março o prêt-à-porter.

Agora, é esperar para ver qual versão diluída – e usável – chega às lojas! Não vejo a hora e acho que não sou a única! E isto, minha gente, é moda!

Texto escrito por Consuelo Blocker, originalmente retirado do site: www.consueloblog.com.br

Postado em: 14/01/2015

Veja também